27 de janeiro de 2018 às 16:40

Repórter acha restos do que pode ter sido o último navio negreiro dos EUA

Pesquisadores americanos afirmam que os restos de um navio de madeira encontrado submerso na lama, em um delta de um rio do Estado do Alabama, podem ser do Clotilda, o último navio a trazer escravos para os Estados Unidos há quase 160 anos.

Pesquisadores americanos afirmam que os restos de um navio de madeira encontrado submerso na lama, em um delta de um rio do Estado do Alabama, podem ser do Clotilda, o último navio a trazer escravos para os Estados Unidos há quase 160 anos.

O navio naufragado foi recentemente exposto por marés excepcionalmente baixas e localizado por Ben Raines, um repórter do site Al.com que cobre ambiente e conservação na região.

Especialistas disseram ao Al.com que, baseados no local onde foi encontrado e como foi construído, o navio naufragado pode ser o Clotilda, que foi queimado depois de entregar cativos oriundo do atual Benin, na costa ocidental da África, em 1860.

"Você definitivamente pode dizer talvez, e talvez até com um pouco mais de ênfase, pois a localização está certa, a construção parece estar correta, a madeira parece ter sido queimada", disse Greg Cook, um arqueólogo da Universidade da Flórida Ocidental que examinou o local do naufrágio.

John Bratten, que trabalha com Cook explorando naufrágios, disse que não há "nada aqui que diga que não é a Clotilda, e várias coisas que dizem que pode ser".

Um elemento-chave é a localização do barco naufragado. Trata-se essencialmente do lugar onde o capitão do Clotilda, William Foster, afirmou ter queimado e afundado o navio em 1860, um ano antes do início da Guerra Civil americana. O naufrágio mostra evidências de danos causados ​​pelo fogo e o navio foi construído usando técnicas de meados dos anos 1800, quando o Clotilda foi construído.

O presidente Thomas Jefferson assinou uma lei em 1807 que proibia a importação de escravos, mas a escravidão ainda permaneceu o motor da economia rural do sul por décadas.

O navio entregou 110 cativos africanos em 1860 no último desembarque conhecido de escravos nos Estados Unidos. Depois disso, o capitão levou o navio até o delta e o queimou.

A maior parte do navio está na lama, e Cook disse que um estudo mais aprofundado, incluindo a escavação, é necessário para verificar se o navio é o Clotilda. Segundo o arqueólogo, o primeiro passo é reunir informações da Comissão Histórica do Alabama, de outros funcionários do Estado e do Corpo de engenheiros do Exército dos EUA.

"Se se revelar realmente o último navio negreiro, aqui se tornará um local muito importante por vários motivos. A estrutura da própria embarcação não é tão importante quanto a história e o impacto que pode ter sobre muitas, muitas pessoas ", disse o arqueólogo.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo