menu

Notícias

31 de janeiro de 2018 às 12:57

Pesquisa desagrada Meirelles, que ainda assim manterá nome até março

Os números da pesquisa Datafolha divulgados nesta quarta-feira (31) desanimaram o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, mas não o fizeram mudar o discurso de que somente em março vai decidir se é ou não candidato à Presidência da República nas eleições

Os números da pesquisa Datafolha divulgados nesta quarta-feira (31) desanimaram o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, mas não o fizeram mudar o discurso de que somente em março vai decidir se é ou não candidato à Presidência da República nas eleições de outubro.

Articulando-se há pelo menos três meses para a corrida ao Palácio do Planalto, Meirelles aparece com apenas 2% das intenções de voto no seu melhor desempenho, segundo o Datafolha.

Assessores do ministro avaliam que os dados poderiam ser melhores, porém, reafirmam, o chefe da equipe econômica do governo Michel Temer não tomará nenhuma decisão até o final de março.

Enquanto isso, tentará chegar aos 5% nas pequisas, patamar que, nos bastidores, estabeleceu como piso mínimo para se lançar candidato daqui a dois meses –no início de abril encerra-se o prazo para que os ministros que concorrerão às eleições deixem seus cargos.

A estratégia de Meirelles era conseguir o protagonismo no debate da reforma da Previdência, posto que perdeu para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Este se articula para uma possível candidatura à sucessão de Temer e pontua na casa de 1% no Datafolha.

Aliados do ministro admitem que o deputado conduziu melhor o processo e hoje aparece como referência nas discussões sobre as mudanças nas regras de aposentadoria. A medida é muito estimulada pelo mercado, importante pilar de sustentação para os anseios presidenciais tanto de Maia como de Meirelles.

A tese é a de que, caso a proposta seja aprovada, Maia consiga faturar em cima do sucesso da articulação na Câmara. Do contrário, o presidente da Casa pode transferir o ônus da derrota ao governo ou até diretamente a Meirelles.

RÁPIDO DEMAIS

Auxiliares de Temer, por sua vez, acreditam que o ministro da Fazenda se colocou "rápido demais" na disputa, o que desgastou sua imagem antes mesmo de os dados econômicos começarem a apresentar alguma melhora.

Filiado ao PSD, Meirelles sabe que não deve ter o apoio de seu próprio partido para disputar Planalto –a sigla pode apoiar Geraldo Alckmin (PSDB)– e tem articulado alternativas caso queira concorrer à sucessão de Temer.

Ser o candidato que defende o legado do governo e tentar isolar o tucano era o principal objetivo do ministro, como demonstrou em entrevista à Folha no fim do ano passado.

O Datafolha desta quarta mostrou que, em uma possível corrida presidencial sem Luiz Inácio Lula da Silva (PT), quatro candidatos disputariam a vaga no segundo turno contra Jair Bolsonaro (PSC): Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Luciano Huck (sem partido).

Maia e Meirelles não aparecem com mais de 2% em nenhum cenário, nem como possíveis herdeiros dos votos de Lula caso o ex-presidente seja impedido de disputar as eleições em razão da Lei da Ficha Limpa.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo