menu

14 de janeiro de 2018 às 02:00

Ex-piloto de helicóptero atrai turistas com bitcoins em venda de açaí na praia

Ao lado da máquina de cartão, o ambulante José Antônio Lopes, 40, usa o celular para mostrar em um aplicativo a lista de moedas estrangeiras que aceita em seu carrinho de açaí, na praia de Pitangueiras, em Guarujá.

Ao lado da máquina de cartão, o ambulante José Antônio Lopes, 40, usa o celular para mostrar em um aplicativo a lista de moedas estrangeiras que aceita em seu carrinho de açaí, na praia de Pitangueiras, em Guarujá.

Ele explica que o cliente pode pagar os R$ 15 pela tigela de açaí convertidos a praticamente qualquer moeda do mundo. Mas é a virtual bitcoin que mais chama atenção.

Ao lado das bandeiras dos principais cartões, o logotipo da moeda virtual que virou assunto recente por causa de sua fulminante valorização estampa uma placa posicionada no alto do carrinho que ele empurra pela areia.

Por enquanto, nenhum cliente se ofereceu a usá-la para saldar a conta do açaí. A maioria usa cartão de débito ou dinheiro, mas a curiosidade tem rendido mais vendas, segundo o ambulante.

"Pessoal para e pergunta como funciona o bitcoin. Virei uma espécie de consultor. Já vendi muito açaí por causa disso", diz ele, que percebeu aumento de 60% nas vendas desde que passou a oferecer a modalidade de pagamento há algumas semanas, quando iniciou a alta temporada de verão no litoral sul de São Paulo. Do compartimento de alumínio, ele diz tirar até 200 açaís por dia.

As pessoas querem saber como faz para comprar a moeda virtual, quanto pode valorizar nos próximos anos e se é seguro diante de hackers.

Ele conta que tem se empenhado em aprender sobre o assunto para conseguir responder todas as perguntas. "Tem coisa que eu não sei."

AJUDA

A alta na demanda o fez contratar uma atendente nesta semana para ajudar a pegar os pedidos dos clientes.

O logotipo da bitcoin foi estampado no avental que a vendedora usa para ajudar na divulgação. Até então, Gabryelle Nanes, 16, nunca tinha ouvido falar em bitcoin.

Com a ajuda do patrão, ela já consegue explicar o básico a quem pergunta. "Ainda estou aprendendo, mas o pessoal quer mais saber sobre bitcoin do que os acompanhamentos do açaí", diz ela.

O vendedor Rodrigo Maia, 24, foi um dos que a pararam para perguntar a respeito da moeda eletrônica. De férias em Guarujá, o morador de Ribeirão Preto conta que tinha ouvido falar sobre a bitcoin apenas na televisão e nem sabia que dava para usá-la como uma moeda comum.

"Seria bom não ter mais que carregar dinheiro e cartão na praia", diz.

OUTRO COMÉRCIO

Há poucos meses com o carrinho de açaí, Lopes viu na moeda virtual uma forma de levar para a areia seu conhecimento sobre eletrônicos. Entre o preparo de uma tigela e outra, ele administra a página de comércio on-line em que vende artigos para computadores. "Gosto de ficar na praia, conversando com as pessoas. E a loja virtual me permite isso."

O comércio virtual, e agora o carrinho de açaí, foram os meios que ele encontrou de ganhar a vida após ter sido demitido da Petrobras, em Macaé (RJ), onde ele trabalhava como piloto de helicóptero de carga. "Por causa da [operação] Lava Jato muitos funcionários foram demitidos e eu fui um deles."

Fora a bitcoin, o ambulante viu na casquinha de açaí mais um diferencial para seu negócio. Ele preenche o biscoito em forma de cone com a fruta escolhida pelo cliente e preenche com uma bola de açaí. "Tem que se diferenciar da massa", diz o ambulante, em meio a ao menos mais dois carrinhos quase idênticos.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo