13 de janeiro de 2018 às 18:57

Cerca de 20 mil protestam na Áustria contra sigla de extrema direita

Milhares de pessoas protestaram neste sábado (13) em Viena, capital da Áustria, contra o novo governo do país, que inclui a sigla de extrema direita FPO (Partido da Liberdade).

Milhares de pessoas protestaram neste sábado (13) em Viena, capital da Áustria, contra o novo governo do país, que inclui a sigla de extrema direita FPO (Partido da Liberdade).

Segundo a polícia, 20 mil pessoas participaram do ato. A manifestação teve a participação de estudantes, entidades de esquerda e aposentados, incluindo um grupo que se intitulou "Vovôs Contra a Direita" e carregava cartazes com a frase "não deixe os nazistas governarem".

O FPO foi fundado por ex integrantes do regime nazista, mas recentemente vem tentando se afastar de grupos antissemitas.

Os manifestantes pediram que os ministros do partido sejam boicotados pelos outros países europeus e que a Áustria seja ignorada quando ocupar a presidência da União Europeia —o que deve acontecer no segundo semestre de 2018.

Os protestos começaram após o ministro do Interior, Herbert Kickl (do FPO), afirmar que imigrantes que buscam asilo no país devem ser enviados para centros especiais enquanto aguardam uma resposta do governo.

Para os adversários, a afirmação trouxe de volta o fantasma dos campos de concentração nazistas criados durante a Segunda Guerra.

O FPO aceitou em dezembro apoiar a indicação de Sebastian Kurz, da conservadora OVP —que tem a maior bancada do Parlamento—, ao cargo de chanceler e as duas siglas formaram uma coalizão para comandar o país.

O acordo foi feito após Kurz apoiar na campanha um endurecimento nas regras contra imigrantes, se aproximando das ideias defendidas pelos líderes do FPO.

Os dois partidos prometeram acabar com a imigração ilegal e lutar contra o radicalismo islâmico. Os adversários, porém, acusam o FPO de defender propostas racistas e sexistas e de manter posições contra judeus.

"É muito importante que a sociedade civil austríaca esteja mobilizada. O FPO não é apenas populista, eles são inimigos da democracia", disse Benjamin Abtan, presidente do Movimento Europeu Anti-Racista de Base, que discursou no evento.

"As pessoas não entendem que o FPO não é um partido regular, eles são extremamente radicais e não deveriam ter um lugar nas principais mesas da Europa", disse ele à agências de notícias Reuters.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo